quinta-feira, 6 de abril de 2017

leyenda maimará

Querido y contradictorio, Alejandro nos pescó despistados por los cerros de antaño en Jujuy. Al lado de su telescopio, nos habló casi todo y sobre todo tal cómo suena la soledad. Allá, cruzamos fronteras entre colores verde amarillo y rojo, cuyo viento ha rayado caminos o desvíos. Entre rocas y ríos secos, escuché el silbido de un tiempo cuando el horizonte quemado por los collas espantó a los barbaros occidentales, y así se defendieron de una posible invasión. Era un ruido suave que decendía de la cruz puesta en una cueva de concreto, y que rebotaba la sonata popular que a la vez venía de la plaza del pueblo. Alejandro dijo que nos alcanzaría más arriba pero jamás lo hizo; para él no existía cielo que fuese más importante que su propio topo en la entrada del monte. El catador de astros es ahora parte de la leyenda Maimará, que parece querer decir "estrella que cae". love try and die, y gracias ademas !





No se le teme a un Lobo por sus enormes fauces o garras, se le teme mucho más por su Feroz Libertad, libertad que usará incluso para devorarte, si así lo desea.
Ale

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

día del amigo

DIARIO DE VIAJE - 20/julio/2014

Esta señora vive con dos perros en una casita en los fondos de este simple comedor 'el conquistador', totalmente aislado en el medio de la Ruta 14, como a 15km de la ciudad de Yapeyú. La encontré pues tuve que caminar por la carretera hasta una estación de servicio para que pudiera esperar un transporte que me llevara. Cuando pasé por ella, hablaba en el teléfono con una alegría envidiable. Gritó que me acercara para charlar. Charlamos un rato y me invitó a almorzar con ella. En la radio, prendida en alto volumen allá en la cocina, sonaban las melodías nostálgicas de canciones antiguas. Me contó que es viuda y que sus dos hijos trabajan uno en la capital y la otra en el extremo norte del país. No tiene ganas de salir de allí ya que todo el mundo le llega a ella sin que salga de su propia casa. Me puse a comprender cuál sería el tamaño de su mundo. Pero eso no importa, estábamos compartiéndolo y seguramente no nos volveremos a ver.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

El río; una invitación a la vida.

DIARIO DE VIAJE 17 de julio, 2014


Había salido sólo de Buenos Aires en dirección a las cataratas de Iguazú. Tenía siete días para seguir por una ruta indeterminada, apenas la frontera como límite para ir y volver prontamente. Por primera vez en casi dos años, salía de la urbe porteña para acercarme más a la profundidad de los aires hermanos. La región de la triple frontera rebota un lastro amargo en nuestra memoria invisible. Pero aun así, los Chajás no dejaron de cantar. A cada paso adelante, el choque con el mestizaje de nuestras identidades era inminente.

Eran las 8h54 de la mañana, y ya cumplían tres horas que caminaba sin rumbo por las calles de la pequeña y hermosa ciudad de Colón en la provincia de Entre Ríos. Aprendí con el padre de un gran amigo colombiano a registrar las horas quebradas (¿inexactas?), así fortalecemos la relevancia de los encuentros. Encuentros multidimensionales entre cuerpos escalenos y transterritoriales. Cuando acontecen, puede que captemos algo en transformación; quizá un poco antes, o durante, sino después... o nunca. Pero lo que se desparrama de allí, eso sí ya se nos escapa totalmente.


El primer caso fue el espontáneo abordaje de Julio, un electricista experimentado de la región, que del otro lado de la vereda me tiró un silbido "Ey, vos! Tu hermana te está buscando!". Miré como quien reconoce un pajarito chiflado como yo, y le contesté en el mismo tono "¿En dónde?". "En la televisión!", reiteró.

(pausa)

"Mi señora que está allí -apuntando a la familia adentro del auto viejo- me dijo que te vio en el noticiero de esta mañana... hace una semana que tu hermana te busca desde Gualeguaychú". Percibiendo que no estaba de joda, le contesté "Seguramente no soy yo, soy de Brasil... pero me gustaría ver quien es este tipo que se parece a mí". Desconfiado, Julio transmitía mucha ternura en la mirada, de hecho mostraba preocupación. Insistió, "¿No estarías con problemas en la casa?". Le sonreí con la sinceridad de quién percibe que el absurdo es totalmente coherente y posible. Quizá yo sea un fugitivo, todavía lo reflexiono... y seguía "¿Qué haces por acá, entonces? ¿Por qué no vas a Villa San José? Mucho más lindo". 

Eso! Movimiento; estallo de realidad. De una seguiría el viaje a través de la casualidad. En este momento, venía el colectivo, y me dijo "Éste te deja allá". Le agradecí y me fui.


Villa San Jose persiste en su dinámica melancólica, un tiempo marcado por la brisa. Un pueblo de cierta importancia histórica con relación a distintas inmigraciones europeas en el periodo colonial. Esclavos del desplazamiento, que han reconfigurado cierta cultura local, y han resistido a la propia. El cine de calle funciona en un antiguo casaron de teatro, y un letrero de cabaret anunciaba el Batman infantil. Vientos y silencios son emitidos hasta por los trabajadores del centro. La plaza posee un piso crocante cubierto de piedritas de color. El museo cuenta meticulosamente el numero de cuerpos extranjeros que se trasladaron por la región, y sus nacionalidades. Realmente, pocos portugueses en comparación a los otros. 


La mochila aún me pesaba en las espaldas, y llovía fino. Las frutas y galletitas, ya me las había mandado. Las caminatas y las dislocaciones por los recuerdos colectivos devoraron el tiempo. Mi pancita de oso se despertó justo en la sagrada siesta de San Jose. Empanadas. La señora se intimidó con mi presencia extraña. Le interrumpí su paz, abrumado por el sonido ambiente de la televisión. Tuvo miedo cuando le pregunté cómo estaba, y si era el único local abierto. Aparentaba inquietud, desviándose con gestos manuales, mirando hacia afuera. No parezco turista, creo. Otra señal de que un caminante no pasa normalmente por esta ruta. 


Eran las 16h13. Antes de buscar un lugar para descansar, preferí aprovechar el momento suspendido del pueblo durmiente para capturar pedacitos del tiempo, a través del cuerpo y de la cámara. Producir pantallas destacadas de la cabeza. La repetición, los ruidos, los animales, la lentitud, los sueños, la fábrica, lo sospechoso... y un grito. "¿Qué haces acá?!". Miré hacia atrás.

(pausa)


En estos momentos, sigo la vida pulsar en las venas. Percibo el arte del encuentro, y me grita la posibilidad del desvío a cada momento. Elecciones que nos surgen como posibilidades de conexión rítmica con el mundo, sobre todo si estamos atentos a los accidentes. Remolinos, por cierto.

Era Julio, el mismo electricista que me había interpelado en la vereda sin número de Colón. Ahora, estaba en la puerta de su propia casa, metida en los pequeñitos descaminos de barro de una parte más alejada. Aparentaba una calma familiar. La musicalidad de su habla era tranquila; pausada y tenaz. Empezó a contarme su participación en la ingeniería eléctrica de un importante evento que cruzó el pueblo, ...


El motor inconfundible de un auto vigilante se acercaba lentamente de a poco, y una voz imperativa sobresalio "Buenas tardes, documentación, por favor". Les miré y registré el deseo por cumplir órdenes. "Recibimos ocho llamados, por haber alguien sacando fotos de las casas". Julio de pronto se puso a defenderme. Les presenté la DNI, "¿No se puede fotografiar en la calle?", les pregunté. "¿Estudias arquitectura?", me respondieron. Sonreí. Los vecinos no satisfechos con la chismería, se acercaron. Horacio, uno de los que había accionado a la policía, nos confesó que su señora dejara de salir para cortar el pelo, pues tuvo mucho miedo. Pero se dio cuenta del exagero, y me invitó a conocer un lugar especial de la región.



Eso! Nos fuimos en su auto a una casa de colección y venta de miles de piedritas semipreciosas en la orilla del río Uruguay. Un local aislado, digno de vacas voladoras. Adoro el misticismo de la pureza indescifrable del agua dulce, y su potencial laberíntico estratificado en ramas interminables.

Los brillos de aquellas semipreciosas sellaban mi impulso aplanado en la cartografía de los encuentros. Ante las formas internas de las piedras, que nos saltan como ensambles visuales, percibí otra vida propia. Aparte, una grieta sobre la imagen de un bosque imaginado, como un pequeño trozo de hielo, irrumpía en los restos de esta dinámica. Su forma de vida estática podría sentirse en el impacto, y moverse por la virtualidad del pensamiento. La vibración parece constituirse como un valor inherente a la vida, que se produce en cualquier estado de naturaleza. Estar vivo presupone experimentar las apariencias que nos invaden.



Si hasta el dibujo mismo quizá ya nos preexista, me da la impresión de que apenas pertenecemos a una especie más de mancha, que creemos correr sobre otras. Si aquí participamos de algo es porque nos relacionamos. Toda relación, pues, refleja un estado de presencia intermitente. Fuerzas cósmicas, transversales, y a veces perpendiculares. El río delineaba la ruta a seguir; una invitación a la vida. 



:
memorias de viaje a las 3h31 del 16 de septiembre, 2015. 



sexta-feira, 6 de março de 2015

a matemática do voo

uma equação simplifica 
x, y e z
sem exatamente resolver
a dimensão do espaço e o tamanho das coisas 
em quantidades exatas

a probabilidade do acerto depende
do erro ao quadrado
quando a raiz do triângulo tem
asas para decolar

pé-de-avencas num concorde
sem janelas
abstratas para voar
: :: : :    :: ::: : : : : :  ::  ::: ::::::  :  
foto de laelaetitia

sábado, 21 de fevereiro de 2015

a presença deles

.
detenho alguns afetos por acento ou gingado

repito nos ouvidos o som da experiência

incorporo movimentos dos arautos que me habitam
:::
::::
::::::
:::::::::
::::::::::::
::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

sábado, 11 de outubro de 2014

flashfoward

não existe poes
iacon cre
eta qu
enã o
derr
eta

.

domingo, 10 de agosto de 2014

la hora de la estrella



:
somos comunes y otros a la vez
otros tal vez
extraordinariamente comunes

sexta-feira, 27 de junho de 2014

confesso

que meu corpo anda atravessado de esquinas, que essas esquinas estão cheias de vontades, que essas vontades não param de ir, que vão de encontro, que negam o retorno, que revoltam meu corpo, que corta o passado, que acorda sonhado, que dissolve assustado, que esquece o mar, que não tem fim antes de perder o ar, que revela o fracasso, que penetra o excesso, que domina o inverso, que não sabe fluir, que flutua pra não cair no meio da lua

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

     
um rio brilha porque beija a pedra e dorme no mar



.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

águas de maya

meu amigo, o mundo
é azul da cor do caos
e toda água
é a coincidência do mar
no rio
deve ser amor




.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

NÃO SE ILUDAM!

não é revolução, não é impeachment, não tem segredo:
a crise é política.

as manifestações tomaram conta do imaginário e elas tem que continuar até que os "representantes" se manifestem de forma digna e pertinente, ou seja, não dando opinião pra repórter, mas encurvando-se ao povo e ao que nós temos a dizer.

não se iludam!!! a euforia tem dias contados... por isso, temos que nos organizar em pequenos e múltiplos grupos. a política é uma coisa descentralizada, de atuação precisa e contínua. essa ilusão de revolução russa ou francesa é ilusão de querer ser ideologia dominante. e Matrix e V de Vingança são filmes muito heroicos à la Hollywood.

temos que elaborar os anseios da nossa diversidade e parar com essa discussão de diferenças e classes. não estou negando que elas existam, claro que existem. mas a discussão já não pode ser mais essa, pq os interesses são incontáveis e não podem ser medidos. quem vai dizer o que é melhor? não podemos eliminar o diferente, mas aprender a coexistir num espaço possível. não é utópico, basta saber ouvir e negociar. grande parte da vida é lidar com as perdas e os ganhos. não existe justiça plena.

temos que nos preparar para saber o que exigir e como agir com aquilo que estamos exigindo. não queremos mais uma sociedade vertical, onde o que queremos é demandado pelo mundo, mas sim que o mundo atenda às necessidades articuladas da sociedade. a internet tratou de ajudar a derrubar de vez o muro de Berlim. queremos fronteiras estreitas e difusas convivendo num mesmo espaço. o que quero dizer é que a política deve ser controlada pelas populações, na medida em que construimos essa abertura. a democracia é muito mais que uma simples questão de quantidade. quantidade é nazismo pq elimina a minoria em prol de uma maioria que, mesmo sendo maioria, é totalmente diversificada, assim como a minoria. a democracia representativa já não faz o menor sentido e todo mundo sabe disso, mas até agora tava com preguiça de assumir.

tenho certeza que a partir do momento que a sociedade civil, na sua multiplicidade, possa se organizar e atuar efetivamente com propostas e projetos sociais, a coisa muda. muda porque é fatal quando as pessoas notam que é possível - elas vão lá e fazem. justamente como surgiu essa manifestação do tamanho que está.
ou vcs acham que não há suficientes: engenheirxs, obreirxs, médicxs, professorxs, indígenas, artistas, economistas, etc... para se organizarem?

o caminho é o funcionamento descentralizado por autogestões em distintos seguimentos da sociedade, misturando grupos e seus variados interesses, e o Estado deve funcionar como um mediador político. e isso quer dizer: com muito menos gente, salários mais próximos de algo sano e que atue com reais representantes, de preferência da sociedade civil.

assim como não se pode deixar de lado o social, tãopouco o capital. as coisas custam dinheiro. e acredito que alguns vão perguntar "mas e o capital vai querer bancar isso?". realmente acredito que o capital não tem muita opinião, ele quer render. não cabe a ele pensar. o problema é que atualmente quem deveria pensar por nós para aplicá-lo, da forma como estamos estruturados, são governantes que, de fato, não pensam em nós. quem tem que pensar é a sociedade, e se ela o fizer, vai render do mesmo jeito. a diferença é que vai haver esforço para melhorar. estaremos mais atentos e responsáveis por nós mesmos. não estamos porque não nos encarregamos disso, mas delegamos alguém.

a gente tem que aprender que a política é a nossa permanência no mundo, é negociar os espaços, é o maior dos cotidianos. e acreditar é o primeiro passo para a agir. NÃO é utopia, é um processo longo, mas já começou...



domingo, 16 de junho de 2013

luna en escorpio

el extranjero descalzo
galopa más que habla,
sus dudas exageran hasta
la noche

puede ser que la fe
lo ayude a mover la casa
de lugar
pero el camino no es
la orilla
de espaldas al sol
así escucha la primavera

se desparrama en la sombra
cuando estira la demencia
de volverse al olvido
acordarse es parte del entorno

cree en imágenes
que imagina
sin tenerlas
como un hilo del agua

su tiempo no sirve
para medir los tentáculos
exhaustivos de la repetición
pues revela un salto
por galope


domingo, 5 de maio de 2013

por favor, menos texto e mais palavra.

os códigos se misturam entre si e nada parece mundano. o som é absorvido e o corpo reage, só que deseja uma revivência transgressora. a água vira vapor dentro de uma bolsa e escapa por pequenos buracos esparsados, que apenas desobstruem. o som oferece reconhecer em si mesmo a resposta, na matéria bruta. ecoa no escuro alto da serra, mas a resposta se mantém perguntando. a síndrome da perfeição pede precisão na emissão sonora e saluda, ao mesmo tempo que o ritmo cotidiano segue espontaneo, até se desmentir. ruídos longos e largos pelos poros lunáticos. futuro que se afasta ao chegar perto. toda palavra será castigada sem lugar para estar. sem avisar, a música sai e de súbito relembra que não existe quando; flui no grau certo para existir. o mito da dose exata, das vozes ajustadas pelo silêncio oriental, onde haikai. atravessa o que é e encaixa. o mundo a incorpora e tarda em modificar-se, de acordo com o relógio. a resposta exerce uma posição de pergunta em tictac de movimento cântico, mantendo um desconhecido sentido de rumores. 
 
é como a música dissimula a expressão do tempo pela palavra.


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

na diferença que o amor não piegas

kyrie


 ::

o amor deseja viver em paz, mas viver implica no caos. nem mesmo a serenidade está livre dos impulsos nervosos, pois o amor desconhece as fronteiras, ao contrário, ele é a representação da ausência de limites. inventou-se a plenitude na tentativa de consagrar um sentido majoritário, com a ideia de que a democracia seria o modelo igualitário, justamente quando há mais diferença que igualdade. julgamos normas à caça e somente mortos logramos iguais.

a noção de povo anda estigmatizada por incompetência da espécie humana, que não se porta decente diante do estranho, provocado pela diferença, e pratica substancialmente a troca de dominação - em geral, assumida por uma lógica de defesa. o conflito nasce quando um regime necessita expandir e, para isso, se impõe sobre outros em detrimento da própria crença. é muito amor próprio. logo, surte uma guerra despropositada, enquanto as diferenças estão ramificadas dentro de um mesmo regime, ou seja, num intermitente caos que reage e recria à coerção do ambiente.

neste instante, os povos querem se comunicar. 

o que a multiplicidade possibilita, nas tribos, com a proliferação de fragmentos de ilusões realizáveis, incita o medo ao povo da decadência do modelo democrático. o amor que vós deveis unir, a igualdade, beira o impossível. o caos avisa que a igualdade plena provoca uma violência tenaz, causando morte, e que a espécie não reconhece submeter a si, mas pode fazê-lo num ato desesperado de resignação.

em qualquer regime de povos, os corpos transitam nos espaços onde se encadeiam, ou se avistam, ou se encontram, ou se chocam. não há como evitar a coexistência transdimensional. para amar, basta conectar-se. quando a igualdade se impõe ante a qualquer contrato, pasteuriza o amor; dá pra sentir o dissabor da anestesia. contudo, se entendemos que há sempre um movimento natural de transa entre perceber, tentar e atravessar, poderemos nos posicionar politicamente, amando loucamente.

num regime, as ideias desejam cultivar os discursos elaborados pelas descobertas e introjetados de frases, que dominam a existência e o posicionamento das palavras que, contudo, organizam as letras que foram meticulosamente desenhadas pela leitura, subservente aos sentidos, extraídos do ambiente, estudado pela epistemologia da mente, impregnada de natureza bruta e inventiva, regida pelo tempo, estabelecido por puro mistério. e amar deve ser nos responsabilizar pelo que e iremos (nos) transformar.



imagem de Renan Barbosa 


::

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

uma outra e coisa devem transformar

o que resiste é de angustia e dilui em vários seres. passado pode ser que pólen no universo. e quando se descobre que nada muda tão rápido quanto o tempo, faz-se a roda (girar). morremos desde sempre nessa conotação espacial de tempo que a tudo ocupa. esbarramos também em buracos que não são feridas, estão apenas ventilando - é difícil conter as evasões, pois participam da involuntariedade. tem energia no ócio que o nabo não retém e resiste.

. é preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte  

isso significa que se deixarmos somente fluir como há, arriscamos nos esvair na efemeridade dos acontecimentos inatos, no que há de mais orgânico no trivial funcionamento da natureza. viajamos ao norte sem mapa registrado, o que deveria nos tornar interessantes; ao sul, reavaliamos por que e qual seria o caminho menos torto. portanto, assimilamos moldes de supostos acertos para engessar as dificuldades de resistência e tornar as prioridades mais objetivas, ainda que dissimuladas pelos afetos.

. hay que endurecerse pero sin perder la ternura jamás 

aquele espaço ocupado pelo tempo parece claro, inclusive que talvez o outro não importe muito, já que a solidão é um estado ímpar de sobrevivência e revés. devemos nos atentar, porém, que estar realmente só é dar-se na extrema necessidade de existir; é o nu famigerado do saber e da libido. e isso dói pacas.

. não confunda pressa com urgência


nos concerne um pouco de água; o que não cheira, mas dilui.


  

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

exemplólogo

estrago o jogo
não sossego e me entrego

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

horizonteio

movimentar-se até quando parado
é sentir que em um porto
há laços
que não fogem quereres
quanto mais origens guardadas

fica tudo amarrado pelo laço
o que constrói quando começa
sabota em seguida
retomando o ponto de partida
em caminhos quase iguais

um dia você coleciona
um pouco de vida a cada passo
mesmo entrando no norte descompassado
e acredita que acontecer
pode não ser fácil
mas factual

e quando acontece é que você percebe
que poesia.


.

::

quinta-feira, 19 de julho de 2012

um dia torto pedi que restasse o contorno do eclipse

saí um dia que
 a poesia
me causou verdade

acreditei a custar
que o tempo valia
fora da hora
normal

subiu-me aos olhos
o estio da pele
transpirando novidade

e tem gosto, cheiro e cor
de maresia
no areal.


::

quinta-feira, 28 de junho de 2012

derrubar

o poder sustenta tudo.
então não me venha com papinho
de imperialista água de côco
ou socialista de anarco morto.
vamos pensar em gente como o mundo
que domina
e traz a hierarquia desde o ínfimo segundo fecundo.
a lei independe onde tudo interdepende
e é necessário que a matéria exista
no tempo de sua duração.

mas então o espaço é afirmação.
e como se não houvesse outro jeito, nos forçamos ao esforço,
pois somos incapazes de agir respeitando as veias fluidas.
por que elas estruturam se nós reinventamos?
incapacidade de aceitar o mistério?
insistência de um sistema nervoso que não foi convidado?

seguimos rasurando os ditos de nós
sobre nós,
acreditando e não
na utopia e na humanidade
do que se constrói através e à margem da palavra.
é claro que há renovação,
no tempo de sua duração
e por afirmação.

onde for possível notar, nunca nos falta nada,
mas tudo poder
por pouco transformar.
 



:::

terça-feira, 19 de junho de 2012

brincar is no play

progride o processo que não está em jogo. o sangue escapa nessas valas de experiência na redundância dos gestos. circula no que o cotidiano consiste em acontecer. recortamos a gravura do momento e não podemos prever pralém da crença. o desconhecer se desmerece e o embate de não ser só resiste por querer. desmemorie-se do oriente e note se nada é meta, se meio descarrega ou se tudo ajeita. é preciso muita evolução pra conseguir se perceber fora de si sem querer se meter a ser. conectar-se ao devir sem a ilusão de compromete-lo ao peito do mais forte. há paixões que desencadeiam o fluxo desenfreado da pulsão, onde força não se basta em gente sem coisa. reflita como os bichos dominam os espaços e transitemos em comum. loucura faz parte do eixo.

existe sujeito naquilo enquanto diferença, amor no rompimento, e poesia quando descompassa. o capricho brota do galope desvairado da disputa, a conversa traiçoeira de mimetismos, invadida por entrelinhas, que se abarca com sutilezas. e adivinha, vence quem a conduz com destreza a ponto de se convencer do próprio disparate. e adivinha, perde quem se esforça demais para tal. a luta funciona como alegoria, distraindo a atenção dos mais fracos. e numa democracia a maioria é sempre mais a fraca, pois a minoria representa a resistência que é jamais o sim ou o não, mas o porém (aqui o ponto crucial do progresso). não se domina poder por puro valor, pois os interesses chovem incêndios em cima das trocas.

o céu engana todo de azul, a ideia emburrece o mito da aldeia, dominações idiossincráticas pifam o império da alienação e o que nos reverbera de alguma maneira já aconteceu.


:::




DOMINAÇÃO

antes era luta
hoje ainda é
jogo


-----------------------------------------

PATATI PATATÁ

estalou a maquete:
existe diferente
e mesmo diferente
resiste ou remete.


patatipatatá patatipatatá...


:::

quinta-feira, 14 de junho de 2012

outono outorgado


I

outono de segunda feira
faz manhã com as maritacas
pipocando o espaço
esverdeando o ar
das andorinhas
que reinam sozinhas e sempre
em bando
quando não vem urubu
rasante no desprezo
do silêncio

todas elas esticam o sol
com largas voltas
no horizonte
impressionando de céu
o azul


II

maritacas pipocam a tarde
também
num céu para carneiros
signos de Bahia

a revanche dos povos
extraterrenos
contracenam com o ballet
sem sonata
dos xavantes de metal

sobrevoam o outeiro
da glória
do outono ao carnaval
com intermináveis comunhões de parcimônia
ao desejo primário
de respirar além do sonho
brasileiro

fertilizar natureza para semear mentes

e as nuvens não explicam os
pássaros
graças ao mito
simbolizam espaços.



outono impressionado

::

segunda-feira, 11 de junho de 2012

jumingo

era um dia doce com tomate
tinha gosto de relva
derretida
Cléo partiu a metade
pro futuro

as malas ficaram para trás
desceram o valão do céu
não tinham tanto valor
quanto o jabuti debaixo do braço



::


poema inacabado como domingo.



quarta-feira, 6 de junho de 2012

maturar

com a boca no dente
a ideia louca
aparente
repercute morna
incendeia
se transforma
e desconsola
se agride
a gamboa da elite
do saber

desconsidere a fonte
e trate de transfazer
o relevo contravenção
atravessar os dedos
sem medo do jogo
feder antes
que se remonte em asas




terça-feira, 22 de maio de 2012

CHÁ DO CHATO (la contrareformica)


chatoidodo
chatodoi
já tudo foi africano
núindiano

contratado fatoanti
relato
da história morta em contrapartida
escatofórmica
escapuliu a formada
eclesiasticidade
pela amortecidade dos retratos
fadados ao fracasso

reinunidos em troperdiçados
conferimonos noticiados
dados dando
olímpicos saltos soltos
em saturno

naufragueas virgens
matérias tribolentas
no rio no nilo
e outras tontas civilizadocracias
ambulantes

pois o relento antibastasse
descendedum tornado tornando
tudo lotado
lamaçal espumassado
em revolto mar


::

poesia para imagem de Renan Barbosa 

 

sur méditant























22/05/2012

sexta-feira, 11 de maio de 2012

anonão

o jogo parece um sermão ao contrário, a não ser vida.


˜

domingo, 25 de dezembro de 2011

canto capibaribe

Vi,
 
vivo perto das aves, ultimamente: elas vocalizam o começo e o fim da noite. e são tão belas as transições... o tempo das asas suspende as imagens. os inícios sofrem de sede esguelada pela revelação reinventada nas manchas. ficamos lançados contra um espaço estupidamente vazio, onde temos que nos ouvir e confiar o canto que quando ecoa soa tonto. inspiramos portanto os lentos processos na repetição do sol dançando com a terra, até notar que a luz movimenta eloquente. enche de cor mas pisar fica pesado.

entojar notas inflamadas em busca do brilho me revelia.



enquanto o pé recria caminhos, essa cabeça vicia o lar.

faz leve refutar.



um assobio
gabriel

25/12/2011



.
bilhete aberto à querida amiga cantora, Virginia Capibaribe. 



segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

pelo menos não era pra esquecer

vocacionei à loucura
para me render
um pouco indevido
na maneira de estar

a cultura estrutura o que pensar
em um ritmo
cambale camaleante
que porém não gosta
pela natureza naturalmente
imposta
no decorrer dos fatos

todos sabem onde
cabe o que
é normal
e quem não é
...e quem não é?

o bovino come pastos
o peixe nada
o santo baixa
em volta muda

nada é tão morrer ontem
e preciso como hoje
a cada vez.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

só por isso

!
 
na fronteira o limite
é tênue
quase infinito.


///////


dentro de tudo existe
um sol
debochante
e no centro um
outro des
               manchante.

!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

o difícil passeio paralítico

a gente cresce e pensa que amadurece, mas acaba que se enrasca e recorre ao santo espírito. 

o pior, visto isso, é quando acontece de enxergar que só depende de uma ou algumas atitudes para que um caminho novo transcorra. a mente precisa estar tranquila de nobreza para aceitar a humildade de ser incapaz. lembre sempre e porém que ninguém descobre o tamanho do sempre, tampouco da vida; as coisas nos enfrentam e afetam justamente porque sentimos que elas existem. não adianta negar, a coisa volta, às vezes revolta. igual palpite da vovó maroca sobre a novela. pode confiar.

pois bem, é preguiça ou medo que demarca o limiar do que pode ao que há?

não tem segredo, resta enfrentar. pode ser luta, ou não até. o importante necessário é querer e destemer o fracasso, pois se tiver que sê-lo, ainda assim, haverá que experimentá-lo. força como nunca suspeitou.

a vida não parece muito além de movimento, de vivenciar o que buscamos, largamos e descobrimos. não reagir é permanecer no estado de mortovivo. e esse pode ser o mais nocivo dos fracassos, a paralisia.



o medo maior
desconfigura
o sabor do sorvete
derretendo 
nos dentes pro coração.

]:[

a imagem de uma ave
talvez seja
a mais bela e permanente das minhas idéias
até o pássaro me atacar
e eu perceber que ele pode
e me saboreia
enquanto me dói.


;
http://soundcloud.com/danielbenflos/cl-ssica


/

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

sensível demais pra ser verdade

uma coisa nova chega
como sempre
e ousa um pouco
até repetir

e aí ela me pede
depois me pode
mas esquece
que eu não quero
repetir

o frescor
só isso dá
tesão
de querer continuar

23/09/2011



*ou então por alberto caeiro:

O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
 e ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.





]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]][[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[